Close

Grupo de sete países, Brasil à frente, cria variação de medicamento antiaids

Nova versão do antirretroviral ritonavir, produzida com matéria-prima da China e de laboratórios brasileiros, não precisa ser mantida sob refrigeração. Domínio da tecnologia é estratégico para o País, que gasta por ano R$ 11,45 milhões na compra do remédio.

Lígia Formenti / BRASÍLIA

Tratamento. Antirretroviral ritonavir em sua versao tradicional; conservacao do remedio produzido no Brasil sera mais facil

Uma força-tarefa na área de AIDS integrada pelo Brasil e mais seis países inicia em 2011 os testes do primeiro produto desenvolvido pelo bloco: uma variação do antirretroviral ritonavir, que, ao contrário do medicamento clássico, não precisa ser guardada na geladeira.

A droga,feita com matéria-prima da China e de laboratórios particulares brasileiros, está sendo desenvolvida na Fundação Oswaldo Cruz com uma nova tecnologia. Cabe ao Laboratório Federal de Pernambuco fazer a análise do material. “É um esforço conjunto. Uma vez verificada a segurança do produto,o Brasil repassará a tecnologia para os demais países do bloco”, disse a consultora do Ministério da Saúde e coordenadora do projeto do desenvolvimento da droga, Eloan Pinheiro. O domínio da tecnologia para fabricação do ritonavir termoestável (como é chamada a variação do remédio que dispensa refrigeração) é considerado estratégico para o Brasil.” A nova apresentação traz enormes vantagens: não precisa de refrigeração, sua conservação é mais fácil. Sem falar que ele pode ser combinado com outros medicamentos”, afirmou o diretor do Departamento de Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Dirceu Greco. O governo brasileiro gasta por ano R$ 11,45 milhões na compra do remédio, atualmente usado por 38.650 pacientes. “A tendência é que a indicação do medicamento aumente nos próximos anos”, observou Greco. O ritonavir termo estável é o primeiro de uma lista de produtos na mira da rede de cooperação tecnológica em aids. “Há também a intenção de desenvolver o Kaletra, outro medicamento bastante usado por pacientes brasileiros”, contou o diretor de Farmanguinhos, Hayne Filipe da Silva.

Esforços.

A idéia da rede é pesquisar novas tecnologias para desenvolvimento de remédios, Kits de diagnóstico e outros produtos essenciais para aids. “Queremos somar esforços. Cada um entra como que sabe fazer. A Tailândia pode ajudar no desenvolvimento de combinações de drogas pediátricas. A Rússia pode colaborar com kits de diagnóstico”, disse Eloan. Uma vez dominada a técnica para a produção, a rede se encarregará de fazer a difusão do conhecimento para países do bloco. “É uma maneira de chegarmos mais rapidamente a um resultado positivo para todos”, afirmou Eloan. Ela afirmou que o desenvolvimento de novas drogas – mesmo aquelas que estão protegidas por patentes – é fundamental. “Um país capaz de fazer um produto sabe qual é o preço justo e pode negociar melhor.” O domínio da tecnologia, disse, traz mais agilidade para produção da droga, tão logo o prazo de patente tenha terminado. “Ganha-se tempo e autonomia. O remédio fica na prateleira para qualquer eventualidade.” Além do Brasil, participam da rede de cooperação tecnológica Tailândia, Rússia, Ucrânia, Argentina, Cuba e China.

Partilha. No caso do ritonavir termo estável, a maior parte do conhecimento partirá do Brasil. “Mesmo assim, o País ganha muito com a rede”, afirmou Greco. “Em outro processo, em vez de ensinar, vamos aprender. Além disso, a estratégia integra a filosofia de partilha na área. Estamos falando de uma doença que ainda exige muito por fazer no mundo. Colaboração é a palavra-chave.”

PARA LEMBRAR

Órgão da ONU advertiu País sobre custos.

O diretor executivo do Programa das Nações Unidas para HIV e Aids (Unaids), Michel Sidibé, advertiu em julho que os custos do tratamento de aids no Brasil voltaram a ficar elevados, ameaçando o acesso do País aos remédios. A política brasileira de combate à aids sempre foi apontada pela ONU como um exemplo a ser seguidos pelos países emergentes. Em nota, o Ministério da Saúde reagiu; afirmou que o preço de antirretrovirais no mundo é alto e, por isso, o Brasil investe no licenciamento compulsório, na produção nacional de medicamentos e na negociação de preços.

Fonte: O ESTADO DE SÃO PAULO – SP

 


Deixe um comentário